quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Casa, em casa.





À minha espera, uma casa que me acolhe sempre de braços abertos, os meus cantos, as minhas coisas, as minhas pessoas. Tudo aqui reunido para uns dias de descanso bem merecido.  Casa, em casa. Com tudo o que pressupõe de bom e de belo.

domingo, 13 de agosto de 2017

Início precioso.











Todos os inícios são preciosos. Mais ainda quando estes inícios são preludio de dias grandes de preguiça e de descanso. Tempo com tempo, de calma e tranquilidade. Depois dos dias todos que cabem num ano este tempo começou assim. Um dia inteiro passado num parque num piquenique, leve, fresco e colorido, como se querem as refeições ao ar livre e como se querem também os dias nesta altura do ano. Com os dias grandes, um livro, que me acompanhará durante as férias. Assim começa o mal, neste caso, assim começa o bem.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Um bolo para dias de muito frio.









Chuva, frio e vento de novo. E de novo a vontade de casa. O aconchego da lareira, de comida perfumada e do aroma doce dos bolos acabados de sair do forno. Para dias de muito frio um bolo delicioso. Chocolate e pêra numa conjugação deliciosa e absolutamente irresistível.
 
 
Como fazer:

4 ovos + 150 g de açúcar + 1 pisco de sal + 50 g de chocolate em pó + 1 colher de café de café em pó + 100 ml de água morna + 100 g de manteiga derretida + 200 g de farinha + 1 colher de chá de fermento + 4 pêras

Batem-se os ovos inteiros com o açúcar e o sal até obter um creme esbranquiçado. Adiciona-se depois o chocolate em pó e o café em pó, bate-se mais um pouco e acrescenta-se a água morna e a manteiga derretida. Aos poucos junta-se a farinha e o fermento.
Descasca-se as pêras e retira-se os caroços e parte-se em pedaços mais ou menos uniformes.
Coloca-se a massa do bolo numa forma  de bolo inglês, untada e polvilhada com farinha, e por cima coloca-se os pedaços de pêra.
Leva-se ao forno a 160 º durante 40 a 45 minutos.
Depois de desenformado polvilha-se com icing sugar.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Seis anos.

 
 













Seis anos e 500 posts depois. Uma data a assinalar. No dia em que este espaço completa mais um ano. Hoje ficam as coisas que me são mais, o que fica dos dias que passam inexoráveis, tantas vezes implacáveis e insensíveis, mas mesmo assim maravilhosos, e de assinalar, sempre. Cada um dos dias, dos momentos, que nos acrescenta e nos marca. Ficam as imagens aleatórias, frases que cruzam os meus dias e lhe dão ainda mais significado, as primeiras flores pequeninas a anunciar a Primavera, a arte, em qualquer uma da sua formas, as flores espalhadas pela minha casa e uma sobremesa decadente.
E com as coisas que gosto e de que vou guardando registo, agradecer a quem por aqui passa, a quem lê. O meu obrigada. Muito.
 
Como fazer:
 
Para o gelado:
 
2 pacotes de natas bem frias + 1 lata de leite condensado + 2 colheres de sopa de gengibre ralado
 
Para o caramelo:
 
200 g de açúcar + 1 pacote de natas + 1 pitada de sal
 
Primeiro faz-se o caramelo assim:
Leva-se o açúcar e o sal ao lume e lentamente deixa-se fazer um caramelo muito claro. Retira-se do lume e junta-se as natas aos poucos. Caso forme grumos leva-se de novo ao lume até que fiquem desfeitos, mexendo sempre. Retira-se do lume e deixa-se arrefecer completamente.
 
Bate-se as natas bem frias até estarem firmes e depois acrescenta-se o leite condensado e o gengibre ralado, envolvendo com a batedeira em velocidade baixa.
Coloca-se a mistura numa taça ou recipiente, que possa ir ao congelador.
 
No momento de servir, colheradas de caramelo.

 

terça-feira, 7 de março de 2017

Minimalista.





Porque ainda é Inverno, porque ainda chove e está frio, porque ainda apetece, mais do que qualquer outra coisa, o aconchego de uma sopa reconfortante, que nos aqueça as mãos e a alma. Desta vez, um creme de couve-flor, delicioso e de um sabor delicado. Uma sopa minimalista em que no fim acrescenta-se o que se quiser, desta vez um molho feito de iogurte, que agradou muito a todos.
 
Com a sopa, um livro que chegou às minhas mãos por estes dias.
 
Como fazer:
 
Para a sopa:
 
2 cebolas + 2 dentes de alho + 1 courgette + 1 batatas + 1 couve-flor grande + água + sal  + azeite
 
Para a guarnição :
 
1 iogurte natural + 1 molhinho de salsa

Leva-se ao lume os legumes todos partidos em pedaços pequenos e rega-se com um pouco de azeite. Tempera-se com sal. Deixa-se estar durante 10 minutos. Quando os legumes começarem a estar macios acrescenta-se a água a ferver, só até cobrir os legumes.  Deixa-se estar mais 10 minutos e  passa-se com a varinha mágica até estar em puré perfeito.

Entretanto junta-se o iogurte com a salsa e passa-se com a varinha mágica. Vai formar uma espécie de espuma, mas é normal. Leva-se ao frio até ao momento de servir.
 
No momento de servir coloca-se por cima da sopa a quantidade que se desejar da mistura de iogurte.

 

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Haja o que houver.







No inicio do mês mais pequeno do ano celebra-se um aniversário. É o primeiro da casa, e o primeiro dos afetos. E, enquanto continua a crescer como pessoa única e irrepetível que é, eu (nós) estou (estamos) aqui, haja o que houver.  Para os mimos todos que quer e que merece.
E enquanto fazia pacientemente as bolinhas de vários tamanhos para compor o bolo, a música que se espalhava pelas paredes da casa, e a voz que nos faz ficar mais próximos da nossa própria alma, a belíssima voz da Teresa Salgueiro, no tempo em que fazia parte dos MadreDeus, 
E, então, de alma e coração cheio fica o bolo que pediu, por gostar muito, um bolo feito de profiteroles.
 
Como fazer:

Para a massa:

6 dl de água + 200 g de manteiga + sal + 300 de farinha + 12 ovos

Leva-se ao lume a água com o sal e a manteiga, quando levantar fervura, adiciona-se, de uma só vez  a farinha e mexe-se até formar uma bola que se separe das paredes e do fundo do tacho.
Retira-se do lume e coloca-se a bater na batedeira para ir arrefecendo. Quando a massa estiver mais fria junta-se os ovos um a um, batendo bem entre cada adição e só juntando o seguinte depois do anterior ter sido completamente absorvido. Depois de juntar os ovos todos bate-se mais algum tempo até a massa ficar brilhante e começar a fazer bolhas.

Fazem-se bolinhas (com uma colher ou com um saco pasteleiro) de vários tamanhos, por forma a que encaixem umas nas outras ao fazer a pirâmide.
Coloca-se as bolinhas em tabuleiros de forrados com papel vegetal e leva-se ao forno a 180.º aproximadamente 20 minutos.

Para o recheio:

3 pacotes de natas + 6 colheres de açúcar + 2 folhas de gelatina

Coloca-se as folhas de gelatina em água fria, entretanto bate-se os 3 pacotes de natas até estarem firmes e acrescenta-se o açúcar. Por fim derrete-se a gelatina durante uns segundos no micro-ondas e acrescenta-se às natas. Leva-se ao frio até ao momento de rechear os profiteroles.

Para a cobertura:

1 tablete de chocolate com 70% de cacau + 1 pacote de natas

Leva-se a derreter em banho maria o chocolate e as natas.
 
Monta-se o bolo colocando as bolinhas, já recheadas, por forma a formar uma pirâmide. Depois coloca-se por cima o chocolate derretido.